quinta-feira, 20 de maio de 2010

6ª Treinador: Mário Peres Ulibarri, “Marinho Peres”

  • Mário Peres Ulibarri, "Marinho Peres".
  • Nasceu a 19 de Março de 1947 em Sorocaba (Brasil).
  • No Sporting durante: 1 ano e 8 meses.
  • Títulos no Sporting: Nada a assinalar.



O Marinho Peres foi um excelente treinador brasileiro que passou pelo Sporting no início da década de 90. Apesar de não ter conquistado nenhum título e de ter sido despedido na 2ª época, será considerado craque, já que fez o Sporting ressurgir na alta roda europeia. Com uma equipa muito jovem, conseguiu pôr o Sporting a praticar um excelente futebol, chegando às meias-finais da Taça UEFA e conseguindo bons resultados no Campeonato, pecando por alguma irregularidade, já que na 1ª época, o Sporting iniciou o Campeonato com 11 vitórias consecutivas, o que ainda hoje é um recorde.



Fez toda a sua carreira de futebolista como defesa central, começando em 1967 no São Bento, mudando-se logo em seguida para a Portuguesa. Em 1972 é contratado pelo Santos tendo a possibilidade de jogar ao lado do Rei Pelé. Foi titular e capitão da selecção brasileira que disputou o Mundial de 1974, ganhando assim o passaporte para actuar no Barcelona.





Ficou na Catalunha durante 2 épocas, sendo titular indiscutível na primeira e suplente na segunda. Em 1976 regressou ao Brasil para actuar no Internacional antes de ir para o Palmeiras e acabar a carreira em 1980 no América. Foi aqui que iniciou a carreira de treinador ao ser treinador jogador da equipa carioca. Em 1982 foi adjunto de Telé Santana num clube da Arábia Saudita. Em Junho de 1986 é convidado pelo Vitória Guimarães para treinar a equipa principal.
O Vitória faz uma época fantástica, com um excelente futebol e acaba no 3º lugar da classificação, chegando aos quartos de final da Taça UEFA.



Na época seguinte rumou ao Belenenses, onde repetiu o 3º lugar e ainda venceu a Taça de Portugal. Em 1988/89 conseguiu o 6º lugar no Campeonato e saiu rumo ao Brasil para treinar o Santos e o Guarani.
Em 1990/91 é apresentado como novo treinador do Sporting tendo apenas 2 reforços: Careca e Bozinovski. O Sporting tem uma entrada de leão no Campeonato que ainda é recorde: 11 vitórias consecutivas a abrir. Depois com a progressão na Taça UEFA a jovem equipa ressente-se e acaba em 3º lugar.
A sua estreia ao comando do Sporting ocorreu em Alvalade frente ao Vitória Guimarães, alinhando o Sporting com: Ivkovic; Carlos Xavier, Luisinho, Venâncio e Leal; Douglas (Bozinovski, 75m), Oceano e Litos; Careca (Filipe, 86m), Cadete e Gomes.



Na Europa, o jogo mais épico foi contra o Timisoara, com vitória leonina por 7-0 (3 golos de Cadete, 2 de Gomes e 1 de Careca e Bozinovski). O Sporting alinhou com Ivkovic; Carlos Xavier, Luisinho, Venâncio (Bozinovski, 79m) e Leal; Careca, Oceano, Litos e Filipe; Cadete (Lima, 79m) e Gomes.


Equipa do Sporting em 1990/91.
Em cima, da esquerda para a direita: Venâncio, Leal, Luisinho, Douglas e Ivkovic.
Em baixo, pela mesma ordem: Oceano, Carlos Xavier, Gomes, Careca, Cadete e Litos.


Em 1991/92, o Sporting abriu o Campeonato com um empate a zero nas Antas. A equipa foi bastante irregular e Marinho chegou bastante fragilizado a meio da época. Foi salvo pelo poker de Cadete frente ao U. Madeira, mas 2 jornadas depois era despedido para a entrada de António Dominguez. O seu último jogo foi o empate a 1 golo em casa do Salgueiros, num jogo em que o Sporting alinhou com: Ivkovic; João Luís, Venâncio, Luisinho e Leal; Figo, Douglas, Litos (Tozé, 45m) e Balakov; Cadete e Iordanov (Filipe, 66m). O golo do Sporting foi marcado por Tozé aos 48m.






Na época seguinte regressou a Guimarães, mas falhou. Deixou a equipa em zona de despromoção depois de uma derrota caseira frente ao Gil Vicente.
Regressou ao Brasil para treinar Guarani, U. São João e Botafogo. Em 1996/97 é apresentado como treinador do Marítimo, mas dura apenas 10 jornadas. Em 1998 assume o comando da selecção de El Salvador, mas sai no ano seguinte por ter recebido ameaças de morte, já que denunciou um esquema de corrupção que envolvia dirigentes da federação. Treina a Portuguesa Santista e em 2000 é apresentado como treinador do Belenenses, conseguindo um 7º lugar.
Na época seguinte, conquista o 5º lugar para em 2002/03 treinar os azuis de Belém durante 21 jornadas antes de regressar ao Brasil para treinar o Juventude de Caxias. Em 2006 treinou o Paysandú.

Carreira

1981/82: América

1986/87: V. Guimarães

1987/88: Belenenses

1988/89: Belenenses

1989/90: Santos
Guarani

1990/91: Sporting

1991/92: Sporting

1992/93: V. Guimarães

1993: Guarani

1994: U. São João

1995: Botafogo

1996/97: Marítimo

1998: El Salvador

1999/00: Portuguesa Santista

2000/01: Belenenses

2001/02: Belenenses

2002/03: Belenenses
Juventude Caxias

2006: Paysandú

Carreira no Sporting

1990/91: 3º Lugar

1991/92: Incompleto
(Até Março)

Avaliação: Craque

3 comentários:

sloml disse...

Se dizes que foi craque eu acredito. Parece-me que será mesmo no limite. No Belenenses sim, grande craque.

Jairo Entrecosto disse...

Craque, sem dúvida. Um excelente treinador e um senhor do futebol mundial.

Anónimo disse...

Rui Nascimento:

Mais um treinador vitima dos maus resultados. Gostei muito do seu trabalho. Chegámos à meia final da Taça Uefa e ficámos em 3º no campeonato, com aquele início arrasador de 11 vitórias seguidas. O pior foi quando o Luisinho se lesionou...a equipa começou a cair. Não tinhamos um banco à altura, senão podiamos ter lutado pelo título até ao fim. Na 2ª época, a equipa era um misto de veterania e juventude e não o deixaram completar o seu trabalho, mais uma vez por impaciência dos adeptos e de Sousa Cintra.