terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Nº24: Vítor Manuel Fernandes dos Santos


  • Vítor Manuel Fernandes dos Santos.
  • Defesa Esquerdo.
  • Nasceu a 6 de Setembro de 1965 no Seixal.
  • Títulos no Sporting: 1 Supertaça de Portugal (1987/88).

O Vítor Santos foi um defesa esquerdo português formado no Sporting que nunca vingou na equipa principal, sendo por isso considerado um flop. Aliás, nunca chegou a vingar no futebol português, muito por culpa das suas consecutivas lesões que o impediam de se afirmar nas equipas que representou. Era um defesa esquerdo, que também podia jogar como médio ala ou interior esquerdo e destacava-se pela sua rapidez e excelente pé esquerdo. Contudo, muitas vezes tornava-se permissivo na zona defensiva devido às suas constantes subidas no terreno.




Começou a sua carreira nos iniciados do Seixal, captando a atenção do Sporting para o qual se transferiu e concluiu a formação. Foi emprestado na sua primeira época de sénior ao Olhanense. Na segunda época como sénior voltou a ser emprestado, desta vez ao Sporting da Covilhã onde fez 15 jogos e marcou 1 golo, não conseguindo a equipa evitar o último lugar no Campeonato Nacional da 1ª Divisão, descendo de divisão. Na época seguinte, foi novamente emprestado, mas desta vez ao Farense, onde apenas realiza 12 jogos, mas faz excelentes exibições no 15º lugar da equipa no Campeonato, pelo que, na época seguinte, regressou a Alvalade.
Era a época de 1987/88 e o Sporting era treinado por Keith Burkinshaw que entrou em rota de colisão com alguns jogadores, entre os quais Fernando Mendes. Deste modo, Vítor Santos estreia-se com a camisola leonina logo na 1ª jornada do Campeonato, na vitória do Sporting por 4-1 frente ao Rio Ave, em Alvalade. Os golos foram marcados por Marlon Brandão aos 28, Paulinho Cascavel aos 59m e 86m e Tony Sealy aos 78m e a equipa alinhou da seguinte forma: Rui Correia; João Luís Barbosa, Venâncio, Duílio e Vítor Santos; Marlon Brandão (Jorge Cadete, 80m), Mário Coelho (Mário Jorge, 66m), Oceano e Silvinho; Tony Sealy e Paulinho Cascavel.



Ao longo da época jogou um total de 16 jogos em todas as competições, não se afirmando, mas deixando alguma esperança aos adeptos sportinguistas no seu futuro. Ainda conseguiu ser internacional no escalão de esperanças por 3 vezes.
Contudo, na época seguinte, o Sporting de Jorge Gonçalves decide comprar o defesa Miguel ao Vitória de Guimarães e, no negócio, além de pagar um montante em dinheiro, mandou para Guimarães os jogadores Germano, Silvinho e Vítor Santos. Chegava assim ao fim a carreira de Vítor Santos no Sporting.



No Guimarães, começou por ser aposta do treinador Geninho, mas logo perdeu o lugar para Basílio e Roldão. Jogou apenas 9 jogos no 9º lugar da equipa e venceu a Supertaça Cândido de Oliveira, que já tinha vencido na época anterior ao serviço do Sporting.
Na época de 1989/90, manteve-se no plantel sob o comando de Paulo Autuori, mas voltou a jogar muito pouco: apenas 5 jogos no 4º lugar da equipa no Campeonato.
A época seguinte foi a sua última em Guimarães, alcançando o 9º lugar no Campeonato. Mas, nunca foi opção dos três treinadores, Paulo Autuori, Pedro Rocha e João Alves, jogando apenas 5 jogos e todos como suplente utilizado, pelo que foi sem surpresa que saiu na época seguinte.


Foi para o Desportivo de Chaves para ser suplente de Lino, jogando apenas 8 jogos. A equipa ficou no 9º lugar do Campeonato. Na época seguinte, o Chaves ficou em último lugar no Campeonato e Vítor Santos alinhou em 18 jogos, conseguindo finalmente ser opção mais vezes. Contudo, na época seguinte não faz qualquer jogo pela equipa. Assim, deixa o Chaves em Março e vai para o Sporting de Espinho a tempo de alinhar em 7 jogos e ajudar a equipa a permanecer na 2ª Divisão de Honra, no 14º lugar da geral.
Em 1994/95, joga 6 jogos pelo Sporting de Espinho, mas a meio da época vai para o Louletano. Em 1995/96, regressa ao clube que o viu nascer para o futebol: o Seixal. Fica por lá durante 2 épocas, ajudando a equipa a classificar-se no 9º e 2º lugar, respectivamente, da Série F da 3ª Divisão. No final da época de 1997/98 põe fim à sua carreira de jogador de futebol, ao jogar e ajudar o Amora a ficar em 2º lugar da Série F da 3ª Divisão.



Carreira

1984/85: Olhanense

1985/86: Sp. Covilhã

1986/87: Farense

1987/88: Sporting

1988/89: V. Guimarães

1989/90: V. Guimarães

1990/91: V. Guimarães

1991/92: Desp. Chaves

1992/93: Desp. Chaves

1993/94: Desp. Chaves
Sp. Espinho

1994/95: Sp. Espinho
Louletano

1995/96: Seixal

1996/97: Seixal

1997/98: Amora

Carreira no Sporting*

1987/88: 12;- / 1;- / 3;-

*Época: Campeonato (J; G)/ Taça (J;G)/ Europa (J;G)

Avaliação: Flop

8 comentários:

www.academia-de-talentos.com disse...

Gostava muito de ver um artigo sobre o José Dominguez.

Cumprimentos

M. Paim disse...

Por sorte, será o jogador nº27.

Cumprimentos :)

Bruno V. disse...

Não me recordo dele. Pelos números e pela descrição da carreira, flop.

sloct disse...

Não era tão mau como isso, mas nunca para um grande.

antonio sousa disse...

tinha tanto de bom jogador como de maluco

mario martins disse...

um excelente jogador, mas qualquer coisa lesionava-se... era feito de papel

DOMINGOS CARVALHO disse...

UM MEDIO QUE NUNCA SE DEVIA TER TRANSFORMADO NUM LATERAL,ELEMENTO TITULAR DA MELHOR EQUIPA DE JUNIORES QUE ALGUMA VEZ VI NO ANTIGO ALVALADE,COM JOGADORES COMO LITOS, FUTRE, SERGIO, GERMANO, FERNANDO MENDES, BARRINHO, FERRINHO, EUGENIO,LIMA ETC...

rui castelo nobrega disse...

bom jogador, bom pe esquerdo um medio forte mas acho que de feitio dificil.