terça-feira, 20 de outubro de 2009

Nº47: Carlos Alexandre Fortes Alhinho



  • Carlos Alexandre Fortes Alhinho.
  • Defesa Central.
  • Nasceu a 10 de Janeiro de 1949 em São Vicente (Cabo Verde).
  • Morreu a 31 de Maio de 2008 em Luanda (Angola).
  • Títulos no Sporting: 1 Campeonato Nacional (1973/74) e 2 Taças de Portugal (1972/73 e 1973/74).
  • 15 Internacionalizações.




Carlos Alhinho foi um dos bons centrais que passou pelo Sporting nos anos 70, conseguindo três títulos nos três anos que vestiu de leão ao peito. Um bom defesa de marcação, não era um craque de alto nível, mas cumpria e fazia o que se pedia a um defesa, ou seja, que não dessem um palmo de terreno aos avançados contrários. Teve uma carreira em que passou pelos três grandes do futebol português, acabando por se tornar um treinador de algum sucesso. Fazia parte de uma família voltada para o futebol, sendo que já faleceu, num acidente bastante estúpido, diga-se. Foi considerado o futebolista cabo-verdiano do século XX.



Nascido em Cabo Verde, fez a sua formação na Académica do Mindelo. Depois, ao querer prosseguir os estudos, rumou a Coimbra para defender as cores da Académica local, ficando por lá durante quatro épocas. Na primeira dessas épocas, realizou 14 jogos.
Na época seguinte, fez um total de 26 jogos, no 10º lugar da equipa. A época de 1970/71, marcou o primeiro golo de Alhinho no Campeonato. Foi apenas 1 golo marcado em 26 jogos a titular, no excelente 5º lugar da equipa de Coimbra. Em 1971/72, a nível colectivo, a época foi terrível com a descida de divisão, mas Alhinho fez 29 jogos e marcou 3 golos o que lhe valeu a transferência para o Sporting na época seguinte.



Logo na primeira época venceu a Taça de Portugal. Estreou-se no Campeonato na 7ª jornada no empate forasteiro no Montijo (0-0) num dia em que Ronnie Allen colocou o Sporting a jogar da seguinte maneira: Damas; José Carlos, Laranjeira, Alhinho e Carlos Pereira; Manaca, Fraguito e Marinho (Pedro Gomes); Nelson (Chico Faria), Yazalde e Vagner Canotilho. Na Taça, foi decisivo ao alinhar em todos os jogos e ao marcar aos 28m o golo do Sporting no terreno da CUF, nas meias-finais. Nesse dia, o Sporting alinhou com: Damas; José Carlos, Laranjeira, Alhinho e Manaca; Fernando Tomé (Hilário, 80m), Vagner Canotilho e Nelson; Marinho (Chico Faria, 76m), Yazalde e Dinis. No dia 28 de Janeiro de 1973 estreou-se na selecção nacional portuguesa com um empate 1-1 frente à Irlanda do Norte.
A época seguinte foi praticamente perfeita com a conquista da dobradinha e a chegada às meias-finais da Taça das Taças. Alhinho alinhou num total de 42 jogos com 2 golos marcados, ambos no Campeonato. Os golos foram marcados nos seguintes jogos: na goleada por 7-0 em casa do Oriental aos 20m, com os restantes tentos a serem apontados por Yazalde aos 7m, 29m, 30m e 61m, Nando aos 72m e Chico Faria aos 75m; na vitória por 4-1 no Montijo aos 45m com os outros golos a serem da autoria de Marinho aos 68m e 81m e Yazalde aos 77m. Foi titular na final da Taça de Portugal num jogo em que o Sporting venceu o Benfica por 2-1 após prolongamento com Chico Faria a empatar o jogo aos 89m e Marinho a resolver o assunto aos 107m. Nesse dia, Mário Lino colocou a seguinte equipa em jogo: Damas; Manaca, Bastos, Alhinho e Baltasar; Paulo Rocha (Chico Faria, 73m), Vagner Canotilho (Dani, 105m) e Nelson; Marinho, Dé e Dinis.



A época de 1974/75 foi algo conturbada com Mário Lino a sair do comando técnico do Sporting para entrar Di Stefano, que devido a problemas de inscrição nunca chegou a sentar-se no banco. Alhinho fez um total de 37 jogos, no qual sobressai um episódio ocorrido frente ao St.Étienne, no primeiro jogo da Taça dos Campeões Europeus. Moralmente em baixo pela saída de Di Stefano e por alguns maus resultados, o Sporting sofreu um golo aos 15m com alguma responsabilidade de Alhinho. Damas com o seu habitual estilo enraiveceu-se com o central e ambos estiveram muito próximos do confronto físico. No final da época, Alhinho sairia do Sporting por empréstimo para o FC Porto.



Fez 19 jogos e foi para o Bétis onde não jogou. Regressou na época seguinte para jogar no Benfica, marcando 2 golos em 22 jogos, frente ao Atlético e ao Beira-Mar. Na época seguinte, foi emprestado ao Molenbeek da Bélgica para fazer 19 jogos e marcar 1 golo antes de regressar ao Benfica. Nessa época fez 27 jogos, mas foi novamente emprestado ao New England Tea Men, para fazer 16 jogos.
Voltou novamente ao Benfica e fez 21 jogos, para na época seguinte, apenas realizar 4 jogos. No clube da Luz venceu 2 Campeonatos e 2 Taças.
Em 1981/82, foi para o Portimonense para marcar 6 golos em 24 jogos realizados, no 6º lugar da equipa, sendo convocado pela última vez para a selecção. Foi no jogo que Portugal perdeu no Brasil por 3-1 a 5 de Maio de 1982. Na época seguinte, o Portimonense ficou em 9º e Alhinho marcou 3 golos em 27 jogos. A época de 1983/84 foi a sua última no futebol, indo para o Farense realizar 21 jogos.



Iniciou a sua carreira de treinador logo na época seguinte no Lusitano Évora, passando em seguida para a selecção de Cabo Verde. Depois fez 3 épocas seguidas no Académico Viseu, para treinar Penafiel e Portimonense antes de voltar a Viseu. De 1994 a 1996 esteve à frente da selecção angolana para conseguir o primeiro apuramento desta selecção para uma Taça das Nações Africanas. Foi contratado pela equipa do Rei de Marrocos, mas um ano depois voltou ao Benfica para treinar os juvenis da equipa durante essa época de 1997/98. Rumou a Angola para treinar o ASA e novamente a selecção angolana, antes de treinar o Badajoz.
Andou pelo Médio Oriente com enorme sucesso, para em 2008 voltar a Angola. Assinou um contrato de 4 anos com o 1º Maio, mas a tragédia ocorreu. Uma queda estúpida num poço de um elevador provocou a morte deste grande futebolista. Alhinho, um senhor do futebol.


Carreira

1968/69: Académica

1969/70: Académica

1970/71: Académica

1971/72: Académica

1972/73: Sporting

1973/74: Sporting

1974/75: Sporting

1975/76: FC Porto
Bétis

1976/77: Benfica

1977/78: Molenbeek

1978/79: Benfica

1979/80: New England Tea Men
Benfica

1980/81: Benfica

1981/82: Portimonense

1982/83: Portimonense

1983/84: Farense

Carreira no Sporting*

1972/73: 17;- / 5;1 / -;-

1973/74: 30;2 / 4;- / 8;-

1974/75: 30;- / 5;- / 2;-

*Época: Campeonato (J;G) / Taça (J;G) / Europa (J;G)

Avaliação: Craque

3 comentários:

ogirdoR disse...

Em Viseu deixa imensas saudades. A equipa de 87/88 praticava um futebol inesquecível com Leal e João Luís (jogaram ambos no Sporting) a fazer parte do plantel!

M. Paim disse...

Acaba por deixar saudades em todo o lado, com raríssimas excepções.
O Leal será o lateral esquerdo desta equipa, será o jogador nº53. Já o João Luís ainda não tem número definido...

Bruno Venâncio disse...

Craque. Um senhor do futebol.