quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Nº45: Jorge Amaral Rodrigues


  • Jorge Amaral Rodrigues.
  • Extremo Direito.
  • Nasceu a 1 de Junho de 1970 em João Belo (Moçambique).
  • Títulos no Sporting: Nada a assinalar.



O Amaral foi um jogador saído da “cantera” sportinguista, mas que não vingou na primeira equipa. Era um extremo que jogava habitualmente do lado direito, rápido, mas algo trapalhão com a bola nos pés, foi sem surpresa que acabou por abandonar o Sporting na resposta do Benfica aos “roubos” de Paulo Sousa e Pacheco.


Nascido em Moçambique, fez a sua formação nas camadas jovens leoninas. Acabada a formação, no seu primeiro ano de sénior, foi emprestado ao Académico Viseu. Aí destacou-se, no último ano da equipa viseense na divisão principal do futebol português, ao realizar 30 jogos e marcar 1 golo, algo bastante razoável para um jovem de 19 anos. Regressou ao Sporting na época seguinte, depois de ser campeão em Riade de sub-20 e marcar um golo ao Brasil.
Estreou-se pela mão de Raúl Águas, na 21ª jornada, na vitória em Alvalade frente ao Penafiel por 2-1 com golos de Oceano aos 34m e de Luisinho aos 63m. O onze desse jogo foi o seguinte: Ivkovic; Luisinho, Venâncio e Leal; Amaral (Fernando Gomes, 59m), Silas, Oceano e Ali Hassan; Marlon Brandão, Paulinho Cascavel e Cadete (Marinho, 78m). Até ao final da época realizou mais 2 jogos como titular e 3 como suplente utilizado.
Na época seguinte, fez apenas figura de corpo presente já que não representou o Sporting a nível oficial uma única vez, devido a um acidente de viação que o reteve algum tempo.
Em 1991/92, fez 5 jogos no Campeonato, mas nenhum como titular, entrando sempre a partir do banco. Estreou-se logo à 2ª jornada na vitória caseira sobre o Famalicão com golos de Cadete aos 30m, Leal aos 37m e Iordanov aos 57m, entrando aos 73m.



A época de 1992/93, acabou por ser aquela em que Amaral foi mais utilizado ao alinhar em 13 jogos do Campeonato, 3 da Taça e 2 da Taça UEFA. A sua estreia a titular no Campeonato, ocorreu à 7ª jornada na derrota por 1-0 em Barcelos. A equipa desse jogo foi a seguinte: Ivkovic; Marinho, Valckx, Carlos Jorge e Leal; Amaral (Capucho, 57m), Peixe (Iordanov, 72m), Filipe, Balakov e Figo; Cadete.
Finalmente, em 1993/94, faz apenas 5 jogos para o Campeonato. O seu último jogo com a camisola do Sporting foi na última jornada do Campeonato frente ao Paços Ferreira (3-1, com golos de Carlos Jorge aos 28m e 75m e Paulo Tomás aos 86m. Nesse dia, a equipa alinhou com: Costinha; Marinho, Vujacic, Carlos Jorge e Leal; Amaral (Paulo Tomás, 60m), Poejo, Filipe e Pacheco; Cadete e Porfírio (Renato Santos, 55m).
Saiu rumo ao Benfica, juntamente com Marinho, na resposta damasiana aos roubos de Pacheco e Paulo Sousa na época anterior. No Benfica, não foi feliz fazendo 11 jogos e marcando 1 golo, pelo que foi dispensado para o Felgueiras na época seguinte. Essa acabou por ser a sua época mais consistente, desde a estreia com 23 jogos sob o comando de Jorge Jesus, não conseguindo a equipa evitar a descida de divisão depois de uma primeira volta fantástica.
No Benfica, regressando um pouco atrás, foi dele o célebre golo anulado nas Antas, de forma vergonhosa, em jogo a contar para a Supertaça



Amaral ganhou o prémio de continuar no principal campeonato português, com a camisola do Belenenses, realizando 14 jogos. Rumou depois a Setúbal para ficar por lá durante 2 épocas. Na primeira, ainda marcou 2 golos em 17 jogos, mas na segunda época não marcou qualquer golo nos 14 jogos disputados. A sua última época na I Divisão foi a de 1999/00, em que jogou no Santa Clara, aliciado pelo seu bem conhecido Manuel Fernandes. Alinhou em 13 jogos e marcou 1 golo na última jornada do Campeonato frente ao V. Guimarães (3-2). O Santa Clara esteve a vencer por 2-0 com golos de Prokopenko aos 61m e El Idrissi aos 62m, mas o Vitória respondeu por intermédio de Jairson aos 77m e Riva aos 82m. No seguimento do golo de Riva, bola ao centro e um grande slalom de Amaral para marcar o 3-2 final.


Equipa do Santa Clara em 1999/00.
Amaral está na fila de cima, sendo o terceiro a contar da esquerda.

Na época seguinte, foi para o Atlético na 2ª B para ficar por lá durante 3 épocas. A melhor dessas épocas foi a segunda, onde marcou 7 golos em 21 jogos. Em 2003/04, rumou a Olhão para realizar 31 jogos com a camisola do Olhanense. Retirou-se depois de 2 épocas na 3ª divisão ao serviço do Beira-Mar de Monte Gordo.


Carreira

1988/89: Ac. Viseu

1989/90: Sporting

1990/91: Sporting

1991/92: Sporting

1992/93: Sporting

1993/94: Sporting

1994/95: Benfica

1995/96: Felgueiras

1996/97: Belenenses

1997/98: V. Setúbal

1998/99: V. Setúbal

1999/00: Santa Clara

2000/01: Atlético

2001/02: Atlético

2002/03: Atlético

2003/04: Olhanense

2004/05: Beira-Mar MG

2005/06: Beira-Mar MG

Carreira no Sporting*

1989/90: 6;- / 1;- / -;-

1990/91: -;- / -;- / -;-

1991/92: 5;- / 1;-- / 1;-

1992/93: 13;- / 3;- / 2;-

1993/94: 5;- / -;- / -;-

*Época: Campeonato (J;G) / Taça (J;G) / Europa (J;G)

Avaliação: Flop

6 comentários:

Bruno Venâncio disse...

Flop no Sporting, flop no Benfica, ainda conseguiu jogar em muitos clubes interessantes ao logo da carreira. Não era um jogador assim tão mau, mas dava pouco nas vistas, era a antítese de um extremo actual. Salvo erro fez parte de uma das selecções de sub-20 campeãs mundiais, talvez a de Riade.

Rodrigues disse...

Julgo que em 1990/91 foi vítima de um acidente de viação que o mandou para o estaleiro durante algum tempo... pelo menos, tenho a impressão que esteve envolvido num acidente com alguma gravidade...
Foi campeão em Riade, sim. Mas foi um flop. Os lamps lembram-se bem dele por causa de um célebre golo anulado para a Supertaça nas Antas...

Bruno Venâncio disse...

Exacto, Rodrigues. Esse foi o ponto alto da sua estadia no Benfica. Foi o jogo mais vergonhoso que já vi. Roubaram (literalmente) a Supertaça ao Benfica ao anular esse golo de forma absolutamente ridícula. O Porto tinha mesmo de ganhar.

M. Paim disse...

Não me lembrei disso na altura...acrescentado

Maradona disse...

O golo nem foi do Amaral, foi um auto-golo de um defesa do Porto... :)

Auto-golo anulado por fora-de-jogo posicional de um avançado benfiquista, que está completamente alheio à jogada, depois do Vítor Baía ter jogado a bola com as mãos, fora da área, na cara do árbitro, sem este expulsar o guarda-redes, o avançado ia isolado, pois nem sequer marcou falta.

Entre esta e a prestação do Lucílio na final do Caneco Carlos Bergo, venha o diabo e escolha... :)

loira solteira disse...

jorge meu marilyn ...lembra q vc adcionou meu imaiil ...sou brasileira e loira ...meu msn agora e mari-452009@hotmail.com me add ...sinto saudade de nossas conversas bjos