quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Nº3: Andrzej Mieczyslaw Juskowiak


  • Andrzej Mieczyslaw Juskowiak.
  • Avançado.
  • Nasceu a 3 de Novembro de 1970 em Gotsyn (Polónia).
  • Títulos no Sporting: 1 Taça de Portugal (1994/95).
  • 39 Internacionalizações pela Polónia com 13 golos marcados.

Andrzej Mieczyslaw Juskowiak foi um avançado polaco que representou o Sporting durante três épocas (entre 1992/93 e 1994/95) e que se caracterizou por ser alto, forte, de bigodinho aparado e com uma boa técnica de finalização. Contudo, não alcançou o nível que se esperava aquando da sua contratação. Não obstante esse facto, considero-o um craque do Sporting, um grande ponta de lança, que acabou por ser algo “queimado” por Carlos Queiroz juntamente com outras grandes esperanças sportinguistas (Costinha, Filipe Ramos, Paulo Torres, Cadete, etc.).
Na minha memória perdura esse grande golo ao Boavista, em Alvalade, no dia 10 de Abril de 1994, numa vitória por 3-1 (os golos do Sporting foram marcados por Figo aos 20m, Juskowiak aos 21m e Balakov aos 43m. Já o golo do Boavista penso que foi marcado pelo Nelo, mas não posso confirmar este facto.). Podem ver o golo aqui abaixo.

Mas recuemos no tempo até ao início da vida desportiva de Juskowiak. Nascido em 1970, em Gotsyn, Jusko fez a sua formação no clube da cidade-natal, o KS Kanya Gotsyn. Depois, passou para o Lech Poznan onde atingiu a impressionante marca de 43 golos em 85 jogos (média de meio golo por jogo, portanto). No Verão de 1992 é apresentado por Sousa Cintra como “André, o Polaco” para fazer parte do Sporting de Bobby Robson. As outras contratações desse ano foram: Stan Valckx, Cherbakov, Pedro Barny, Carlos Jorge e Capucho.
Contudo, a sua chegada é adiada porque Jusko faria parte da equipa polaca que disputou os Jogos Olímpicos desse ano. E foi aqui que começou a crescer água na boca aos adeptos leoninos. A Polónia, decadente após os gloriosos anos 70 e 80, é a surpresa da competição ao chegar à final, perdendo por 3-2 contra a anfitriã Espanha de Cañizares, Luis Enrique, Guardiola, Alfonso, Amavisca, Ferrer e Kiko. Juskowiak, à sua conta, marcou 7 golos em 6 jogos e foi o melhor marcador da competição, ficando em branco apenas no jogo dos quartos de final contra o Qatar! Sousa Cintra aproveitou para dizer que qualquer proposta que chegasse pelo polaco seria imediatamente rejeitada.
Vídeos de alguns golos de Jusko nos Jogos Olímpicos de 1992 aqui abaixo:









No Sporting estreou-se a marcar à 3ª jornada na vitória por 4-3 frente ao Famalicão, em Alvalade. Diga-se de passagem que esse início de época foi verdadeiramente desastroso: nas 10 primeiras jornadas, o saldo do Sporting era composto por 3 vitórias, 5 empates e 2 derrotas.

Nessa primeira época Juskowiak realizou 29 jogos oficiais, marcando 10 golos, incluindo o seu único tento nas competições europeias e protagonizou um momento de comédia quando um comentador desportivo disse que Jusko tinha “a vantagem de ter 2 pernas”.
Na segunda época (a tristemente recordada época de 1993/94), Jusko realizou 28 jogos marcando 9 golos, ficando de fora dos célebres 6-3, por ter sido expulso duas jornadas antes num jogo estranho nas Antas (derrota por 2-0 e 3 expulsões: Jusko, Peixe e Vujacic).


Na época seguinte, Juskowiak começou a ser preterido por Queiroz, mas estranhamente, nos 30 jogos que fez (a maioria como suplente utilizado) marcou 13 golos, a sua melhor marca no Sporting. No total: 87 jogos oficiais e 32 golos marcados.
Nessa época, o Sporting defrontou o Real Madrid para a 1ª eliminatória da Taça UEFA. Jusko jogou os 90 minutos nos dois jogos e ajudou a banalizar os merengues, apesar do Sporting não ter passado. Na 1ª mão, em Madrid, o Sporting perdeu por 1-0 com um erro (de muitos que ele dava) clamoroso de Lemajic, mas dominou o jogo levando a bola a embater por 3 vezes nos postes da baliza de Buyo. Juskowiak mandou uma à barra. Na 2ª mão, frustração em Alvalade, com Juskowiak como protagonista no final do encontro: aos 2m, Sá Pinto marca e iguala a eliminatória, mas aos 15m Laudrup empata em mais um erro de Lemajic. Aos 31m Oceano faz o 2-1 e coloca o Sporting a 1 golo da passagem à 2ª eliminatória. O Sporting dominava e aos 88m surge o momento mais frustrante da noite, com o remate de Juskowiak ao poste, a bola a passear sobre a linha de golo, Jorge Cadete de braços no ar a festejar o golo em vez de empurrar a bola para dentro da baliza, um defesa do Real Madrid a aliviar e o Sporting a ficar pelo caminho. Aos 49m, já tinha sido sonegada uma grande penalidade clara de Quique Flores sobre Juskowiak, segundo os jornais da época.


Uma palavra para as 2 expulsões de Juskowiak em Portugal. A primeira, a 3 de Maio de 1994 nas Antas, aos 35m após ter sido agarrado 2 vezes por Fernando Couto. À terceira, Juskowiak achou que era demais. Engalfinharam-se os dois junto à linha lateral, Couto projecta Andrzej para fora do terreno de jogo e segue com a bola. Juskowiak, inocente, olha para o árbitro Carlos Valente e chama-o para reclamar uma falta não assinalada, ao que não é atendido. Chama uma segunda vez e Carlos Valente faz o típico sinal desse tempo nas Antas do “não há nada”, ao que Jusko fixa os olhos em Couto e sem se interessar pela bola desfere-lhe um fantástico low-kick, que o deixa arrumado por uns minutos. Jusko olha para o adversário no chão com desprezo e é expulso pelo árbitro.
A segunda acontece no dia 10 de Setembro de 1994 na Amadora (vitória do Sporting por 2-0 com 2 golos de Jusko). Inconformado com um fora de jogo mal assinalado, Juskowiak brinda o assistente com o gesto de que este precisava de óculos, sendo imediatamente expulso por Jorge Coroado. Essa época acabou com a conquista da Taça de Portugal.


Na época seguinte, Juskowiak foi emprestado ao Olympiakos da Grécia onde manteve uma boa média de golos: 12 em 25 jogos. Em 1996, rumou ao Borussia Monchengladbach para por lá ficar durante duas épocas. Nessas duas épocas teve um rendimento muito discreto marcando apenas 12 golos em 52 jogos oficiais. Nesta altura, já Juskowiak tinha deixado de ser considerado uma promessa do futebol polaco, por não ter explodido.
Na época seguinte, permanece na Alemanha para representar o Wolfsburgo, onde permaneceu quatro épocas, marcando 39 golos em 108 jogos. É nessa altura que é preterido pela selecção polaca.



Na época de 2002/03, Jusko ruma ao Energie Cottbus para realizar 24 jogos e marcar 5 golos. É depois contratado pelos MetroStars, mas não se adapta à Liga Norte-Americana realizando somente 5 jogos e marcando 1 golo. Finalmente é contratado pelo último clube da sua carreira: o Erzgebirge Aue, da 2ª Divisão Alemã. O seu rendimento, nas 4 épocas resume-se em 33 golos em 110 jogos. No final da última época retirou-se com um golo marcado no empate do Aue a 2 bolas com o TSV Munique.

Na selecção A polaca, realizou 39 encontros marcando 13 golos.

No presente, Juskowiak pretende criar processos de formação para jovens polacos. Para tal deslocou-se a Lisboa para visitar a Academia de Alcochete.


Carreira

1987/88: Lech Poznan

1988/89: Lech Poznan

1989/90: Lech Poznan

1990/91: Lech Poznan

1991/92: Lech Poznan

1992/93: Sporting

1993/94: Sporting

1994/95: Sporting

1995/96: Olympiakos

1996/97: Borussia M'Gladbach

1997/98: Borussia M'Gladbach

1998/99: Wolfsburgo

1999/00: Wolfsburgo

2000/01: Wolfsburgo

2001/02: Wolfsburgo

2002/03: Energie Cottbus

2003: MetroStars

2003/04: Erzgebirge Aue

2004/05: Erzgebirge Aue

2005/06: Erzgebirge Aue

2006/07: Erzgebirge Aue

2007/08: Erzgebirge Aue

Carreira no Sporting*

1992/93: 25 9 / 2 - / 2 1

1993/94: 23 7 / 5 2 / - -

1994/95: 25 10 / 3 3 / 2 -

*Época: Campeonato (J; G)/ Taça (J;G)/ Europa (J;G)

Avaliação: Craque

(Com a colaboração de Ricardo Piedade)

4 comentários:

sloct disse...

Craque sim, mas sempre com a sensação que podia "explodir" a qualquer momento, acaba por deixar um sentimento de alguma frustração.

Anónimo disse...

Muito frágil psicologicamente. E acabou quando o Balakov deixou de lhe passar bolas. Sim, quando ele chegou aos 10 golos em meia duzia de jogos, o Balakov começou-o a queimar.

Bruno V. disse...

Foi um bom avançado no tempo em que esteve no Sporting. Podia ter sido ainda melhor, mas circunstâncias nunca devidamente apuradas não o deixaram afirmar-se ainda mais. Parece-me que o Queiroz não ia muito com o seu estilo de jogo. Mas foi mais craque do que flop no Sporting.

OF disse...

À semelhança do Iordanov, teve um período inicial fraquito, mas depois explodiu