quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Nº8: José Gildásio Pereira de Matos, “Gil Baiano”


  • José Gildásio Pereira de Matos, “Gil Baiano”.
  • Defesa Direito.
  • Nasceu a 3 de Novembro de 1966 em Bahia (Brasil).
  • Títulos no Sporting: Nada a assinalar.
  • 6 Internacionalizações pelo Brasil.

José Gildásio, conhecido no mundo do futebol como Gil Baiano foi um dos piores jogadores que eu me recordo de ver a actuar no Sporting. Era lateral direito de raiz e vinha rotulado como um “pombo sem asas” que fazia todo o flanco direito e que tinha um pontapé canhão, para pesadelo de qualquer guarda-redes o que o fez chegar até à selecção brasileira, se bem que em certas circunstâncias que serão explicitadas mais adiante. No Sporting nunca passou dum bluff, dos piores de sempre. O que me leva a pensar que de duas, uma: ou Gil Baiano sempre foi péssimo e as suas qualidades eram exageradas pelos brasileiros ou então não conseguiu mostrar o que tinha de bom, no Sporting. Penso que a solução deva ser intermédia, ele não era grandes coisas, mas também não era “aquela coisa” que jogou por cá.

Gil Baiano nasceu em 1966 em Bahia no Brasil e começou a sua carreira de sénior ao serviço do Guarani em 1985, ainda com 18 anos pela mão de Lori Sandri. Completou 4 épocas de bom nível, sendo transferido em 1989 para o Bragantino, equipa de S. Paulo que militava na Série B brasileira, conseguindo a subida ao principal campeonato brasileiro.


Equipa do Bragantino em 1989. Gil Baiano está na fila de cima e é o quinto a contar da esquerda.


Na época seguinte, a recém-promovida equipa do Bragantino surpreendeu tudo e todos ao chegar aos quartos-de-final do Brasileirão. Em 1991, a equipa seria treinada por Carlos Alberto Parreira e faria ainda melhor ao classificar-se em 2º lugar da fase regular, sendo derrotada na final pelo S. Paulo. Gil Baiano acumulou desempenhos brilhantes, chegando mesmo à selecção brasileira pela mão do seleccionador da altura, o ex-jogador Falcão. Este quis fazer uma selecção apenas com jogadores que actuassem no Brasil, sendo que na altura tudo o que era craque jogava na Europa, e Gil Baiano foi o representante do surpreendente Bragantino. Daí eu ter dito que a sua ida à selecção brasileira deveu-se a algumas circunstâncias especiais. Nesses anos, acumularia 6 internacionalizações pelo escrete.

Mais uma equipa do Bragantino. Gil está na fila de cima e é o primeiro a contar da esquerda.

Chegados à época de 1992, o Bragantino já não surpreendeu ao fixar-se no 3º posto da 1ª fase do campeonato, ficando em 2º do seu grupo na 2ª fase e falhando a final, que seria ganha pelo Flamengo. A época de 1993, foi a última de Gil no Bragantino que se transferiu a meio da época para o Palmeiras. O campeonato dividiu-se em 4 grupos que apurariam 8 equipas para uma 2ª fase. O Bragantino ficou pelo 6º lugar do seu grupo e Gil assinaria pelo Palmeiras que viria a ganhar o campeonato, ao vencer na final o Vitória por 3-0. Era o primeiro Brasileirão de Gil Baiano, numa equipa onde pontificavam grandes valores brasileiros. O onze típico do Palmeiras nessa época era o seguinte: Marcos (campeão do mundo em 2002, que ainda lá está); Gil Baiano, António Carlos, Flávio Conceição e Roberto Carlos; Amaral (que passaria pelo Benfica), César Sampaio, Mazinho e Zinho; Edilson (também passou pelo Benfica) e Edmundo. Tudo jogadores conhecidos, portanto.
Na época seguinte, Vanderlei Luxemburgo contrataria Rivaldo e levaria o Palmeiras a novo título. Gil Baiano saiu a meio da época para representar o Vitória que não conseguiria chegar à fase final. Em 1995, Gil iria representar o Paraná não alcançando grandes resultados, fazendo parte do plantel até meio da época de 1996.

E chegamos a 1996, o ano em que Gil Baiano aterrou em Lisboa. Para essa época, José Roquette apostaria no técnico belga Robert Waseige que trouxe consigo Hadji e os flops Missé-Missé e De Wilde. Uma palavra para 2 reforços: saíram os laterais e Roquette trouxe para a esquerda o péssimo Andrija “eu sou como Maldini” Balajic e para a direita o Gil “pombo sem asas” Baiano. Balajic (que um dia será retratado aqui) perdeu logo o lugar para Pedrosa. Quanto a José Gildásio façamos uma análise mais profunda.
Verificou-se desde cedo que o pombo sem asas tinha 2 velocidades. Devagar e devagarinho. Devagar para apoiar o ataque e devagarinho para voltar para trás. Parecia sempre desenquadrado da restante equipa, para terem uma ideia, se a equipa adversária atacava pela esquerda não estava lá o Gil, porque vinha a passo do ataque, se Pedro Barbosa precisava de ajuda no flanco direito, o Gil estava lá atrás a fingir que não era nada com ele. Era um verdadeiro hino às auto-estradas que mesmo assim ainda fez uns quantos jogos, perdendo o lugar para Luís Miguel que nem era lateral de raiz, era médio. Chegou e logo disse que era um “pé quente” e que ganhava títulos por todos os clubes por onde passava, prometendo toda a sua raça no corredor direito.
A sua estreia ocorreu a 23 de Agosto de 1996 no campeonato, no jogo em que o Sporting venceu fora de casa o Sporting de Espinho por 3-1. A equipa desse jogo foi a seguinte: De Wilde; Gil Baiano, Oceano, Marco Aurélio e Pedrosa; Pedro Barbosa (Paulo Alves, 85m), Vidigal, Hadji, Afonso Martins e Dominguez (Luís Miguel, 81m); Missé-Missé (Porfírio, 69m). Pedrosa seria expulso logo aos 40m, mas o Sporting venceria por 3-1 graças aos golos do próprio Pedrosa aos 24m, de Vidigal aos 39m e de Hadji aos 57m. Ao princípio era a opção principal para o lado direito da defesa, jogando os 4 jogos que o Sporting disputou essa época na Taça UEFA, frente a Montpellier (1-1 e 1-0) e Metz (0-2 e 2-1). Na Taça de Portugal jogou 2 jogos apenas (2-1 ao Beira Mar e 1-0 à Académica), na competição em que o Sporting chegou às meias-finais perdendo para o Boavista por 3-2 o acesso à final.

Plantel 1996/97. Gil Baiano está na fila de baixo entre Marco Aurélio e Oceano.

Com Octávio, Gil Baiano perdeu o lugar para o médio Luís Miguel, fazendo o seu último jogo pelo Sporting na última jornada do Campeonato ao entrar aos 67m para o lugar de Pedro Martins. O Sporting perderia esse jogo por 2-1. Em termos de golos, Gil Baiano ficou em branco, marcando apenas num amigável a 31 de Agosto de 1996 frente ao Alcochetense. O Sporting venceu por 8-0 sendo os golos marcados por Pedro Martins aos 35m, 66m e 75m, Missé-Missé aos 43m e 85m, Porfírio aos 51m, Dominguez aos 70m e Gil Baiano aos 89m.
Foi dispensado no final da época regressando ao Brasil para jogar no Ituano. O ano seguinte iniciou-o no Paraná transferindo-se a meio para o Bragantino, onde tinha alcançado sucesso. Nessa época a equipa já não militava no Brasileirão. No ano seguinte, rumou ao Comercial de S. Paulo por onde ficou durante 6 anos e meio, indo em seguida para o Ceilândia onde permaneceu até ao final da sua carreira, em 2007.



Carreira

1985: Guarani

1986: Guarani

1987: Guarani

1988: Guarani

1989: Bragantino

1990: Bragantino

1991: Bragantino

1992: Bragantino

1993: Bragantino
Palmeiras

1994: Palmeiras
Vitória

1995: Paraná

1996: Paraná

1996/97: Sporting

1998: Ituano
Paraná

1999: Bragantino

2000: Comercial

2001: Comercial

2002: Comercial

2003: Comercial

2004: Comercial

2005: Comercial

2006: Comercial
Ceilândia

2007: Ceilândia

Carreira no Sporting*

1996/97: 16 - / 2 - / 4 -

*Época: Campeonato (J; G)/ Taça (J;G)/ Europa (J;G)

Avaliação: Flop

7 comentários:

sloct disse...

FLOP obviamente, por causa de jogadores como este é que estivemos 18 anos sem ver o título.

João disse...

Eu bem que gostava de saber onde vão desencantar estas pérolas e obrigado por nos lembrares dos erros do passado que não são para voltar a ser cometidos (pelos vistos são...).

Parabéns Miguel pelo óptimo blog.

João Martins (OceanShadow)

Rui Moço disse...

Outro que não me lembro...

Bruno V. disse...

Não sabia sequer que ele era internacional brasileiro antes de chegar ao Sporting. Mas não o mostrou minimamente aqui. Um grande, grande flop.

Anónimo disse...

se gil baiano foi ruim em portugal nao e por culpa dele. no Brasil foi um dos maiores laterais que ja existiu. por isso que Portugal so faz merdas no futebol. sequer sabe avaliar bons jogadores. continuem assim sendo motivo da alegria dos outros rsrsrsrsr.

H.JUNIOR disse...

PARABÉNS AO GIL BAIANO.
EU VI ELE JOGAR!
ERA MUITO BOM.

Carlos Costa disse...

Ao contrário do que o nosso amigo brasuca escreveu, este era um verdeiro flop. um Zero à esquerda.