quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Nº10: Pavel Horváth


  • Pavel Horváth.
  • Médio Centro.
  • Nasceu a 22 de Abril de 1975, em Praga (Rép. Checa).
  • Títulos no Sporting: 1 Campeonato Nacional (2001/02) e 1 Supertaça de Portugal (2000/01).
  • 19 Internacionalizações pela Rép. Checa.

Pavel Horváth, jogador checo, esteve no Sporting durante 1 ano e 2 meses, o suficiente para ganhar uma Supertaça em 2001 e 1 Campeonato em 2002, saindo no mês de Setembro, mas ficando ligado a esse triunfo ao ter jogado as primeiras jornadas. Destacava-se por ser um médio centro com um excelente pé esquerdo que prometeu muito, mas acabou por não render o esperado, acabando por ser um flop. O principal problema foi alguma irregularidade e mau aproveitamento por parte dos que o treinaram no Sporting (foram 4).

O checo nasceu em Praga, na Primavera de 1975 e começou a jogar com apenas 5 anos no Brevnov. Aos 6 mudou-se para o Sparta de Praga onde fez toda a sua formação como futebolista. Chegou à equipa principal em 1993, disputando apenas um jogo e sendo dispensado rumo ao Jablonec 97. Aqui foi mais feliz e em 2 épocas realizou 47 jogos, marcando 8 golos. O seu rendimento foi tão bom para um jovem que foi logo contratado pelo Slavia Praga, em 1996 onde brilhou intensamente ao disputar, em 4 épocas, 104 jogos, marcando 26 golos, um número muito bom para um médio, mesmo de ataque. Foi em 1999 que chegou à selecção checa indo a tempo de ser convocado para o Euro 2000, onde não chegou a jogar.
Chegamos ao ano de 2000, com um Sporting campeão a ter que reforçar o seu plantel para a Liga dos Campeões. Do plantel campeão, saíram De Franceschi, Saber, Quiroga, Vidigal, Duscher, Hanuch, Robaina e Ayew, para entrar um lote de jogadores, na sua maioria excelentes contratações, a saber: Hugo, Phil Babb, Dimas, Paulo Bento, João Pinto, Sá Pinto, Horváth e Fabri. Pavel Horváth prometeu muito como uma boa pré-época, na qual foi presença assídua no onze inicial, marcando ao V. Setúbal.


O primeiro jogo oficial com a camisola do Sporting foi a 13 de Agosto de 2000, a contar para a Supertaça Cândido de Oliveira, no empate do Sporting (1-1) nas Antas frente ao FC Porto. O golo foi de Acosta aos 59m e a equipa que jogou foi a seguinte: Schmeichel; César Prates, Beto, André Cruz e Rui Jorge; Edmilson (Mbo Mpenza, 83m), Paulo Bento, Bino, Horváth e João Pinto (Dimas, 89m); Acosta.
O Sporting estreou-se para o Campeonato Nacional desse ano com uma vitória em Alvalade por 1-0 frente ao Farense, com João Pinto a marcar o golo aos 46m. Horváth não jogou de início, mas entrou no decorrer do jogo. Recorde-se a equipa que alinhou nesse dia: Schmeichel; César Prates, Beto, André Cruz e Rui Jorge; Sá Pinto (Toñito, 73m), Paulo Bento, Bino e Edmilson (Horváth, 64m); João Pinto e Acosta. Nessa época, o Sporting acabaria em 3º lugar atrás de Boavista e FC Porto, com Horváth a alinhar em 17 jogos e a marcar apenas 1 golo, o seu único de leão ao peito. Aconteceu à 4ª jornada do Campeonato, em Alvalade, no empate (1-1) com o Alverca, aos 28m. A época culminaria com a conquista da Supertaça frente ao FC Porto.

Na época seguinte, o Sporting contrataria Laszlo Boloni para técnico principal e iria conseguir a dobradinha. No entanto, Horváth só alinhou em 3 jogos antes de sair para o Galatasaray, envolvido na transferência de Mário Jardel para o Sporting. No Galatasaray permaneceu apenas meia época alinhando em 4 jogos e sendo chamado pela última vez à selecção checa.
Regressou ao seu país para comandar o Teplice por 2 anos, alinhando em 60 jogos e marcando 6 golos, um regresso aos velhos tempos, portanto.
Na época de 2004/05, aventurou-se no futebol japonês indo representar o Vissel Kobe, onde permaneceu por 2 épocas, marcando 9 golos em 38 jogos disputados.

Em 2006, regressou ao Sparta Praga para se afirmar no seu clube de formação, mas não conseguiu. Foram 24 jogos disputados em 2 anos, com 3 golos marcados. Num desses, estalou a polémica. Em Setembro de 2007, na vitória frente ao Viktoria Zizkov, Horváth marcou e fez a saudação nazi, sendo multado em 200 mil coroas checas. Mais tarde, Horváth iria pedir desculpa e dizer que o gesto tinha sido mal interpretado, só queria acalmar os adeptos.
Este Verão transferiu-se para o Viktoria Pizen, da 1ª Divisão Checa, levando já 2 golos marcados em 4 jogos disputados. Na sua carreira de 3 anos na selecção checa, Horváth acumulou 19 internacionalizações sem golos marcados.


Carreira

1993/94: Sparta Praga

1994/95: Jablonec 97

1995/96: Jablonec 97

1996/97: Slavia Praga

1997/98: Slavia Praga

1998/99: Slavia Praga

1999/00: Slavia Praga

2000/01: Sporting

2001/02: Sporting
Galatasaray

2002/03: Teplice

2003/04: Teplice

2004/05: Vissel Kobe

2005/06: Vissel Kobe

2006/07: Sparta Praga

2007/08: Sparta Praga

2008/09: Viktoria Pizen

Carreira no Sporting*

2000/01: 17 1 / 2 - / 4 -

2001/02: 3 - / - - / - -
(Até Setembro)

*Época: Campeonato (J; G)/ Taça (J;G)/ Europa (J;G)

Avaliação: Flop

2 comentários:

Rui Moço disse...

Nada de especial, nunca convenceu.
Mais um que passou...

Bruno V. disse...

Não achei que tivesse sido má a sua prestação enquanto esteve no Sporting. Não fez uma má época 00/01 e acabou por sair apenas por estar enquadrado no negócio do Jardel. Não o chamaria de flop, mas também não era um craque.