quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Nº13: César Luís Prates

  • César Luís Prates.
  • Defesa Direito.
  • Nasceu a 8 de Fevereiro de 1975 em S. Miguel do Oeste (Brasil).
  • Títulos no Sporting: 2 Campeonatos Nacionais (1999/00 e 2001/02), 2 Supertaças de Portugal (2000/01 e 2002/03) e 1 Taça de Portugal (2001/02).
  • 2 Internacionalizações pelo Brasil.

César Prates é um lateral direito brasileiro, que passou com sucesso pelo Sporting durante 3 anos e meio, conquistando tudo o que havia para conquistar a nível nacional. Conhecido por ser um jogador muito rápido, que marcava de forma eficiente livres directos, por vezes deixava a sensação de querer fazer tudo depressa demais o que o levava a cometer alguns erros, sem nunca deixar de ser considerado craque por tudo o que fez e ganhou no Sporting.
Para reforçar a sua temível velocidade, lembro-me de um jogo em 2002, nos Açores frente ao Santa Clara (3-0) em que entrou aos 58m com o resultado em 0-0 e 13 minutos depois tem uma arrancada junto à área leonina em que leva tudo à sua frente só sendo parado em falta já dentro da área do Santa Clara, abrindo aí o caminho para a vitória no jogo e no Campeonato desse ano.


Nasceu em 1975, fazendo a sua formação nas escolas do Internacional até 1994, o ano em que com 19 anos deu o salto para a equipa principal a tempo de ganhar o Campeonato Gaúcho desse ano. Desde logo se revelou uma promessa do clube, não sendo, contudo, muito utilizado nos 2 anos em que lá permaneceu (apenas 20 jogos).
Na época de 1996/97 rumou a Espanha para jogar no Real Madrid, fazendo apenas parte da equipa B, que disputou a 2ª Divisão e desceu ao classificar-se no 18º lugar da geral. César realizou 15 jogos, regressando no final da época ao Brasil, para jogar no Vasco da Gama. Aí foi campeão brasileiro e do Rio de Janeiro, sendo que em 1999 representaria 3 clubes.

Voltando por momentos a 1996, dizer que foi o ano da sua estreia pela selecção brasileira pela mão de Mário Zagallo, no particular frente aos Camarões (2-0). Nesse dia 13 de Novembro o Brasil alinhou com Zetti; César Prates (André Luiz, 73m), Gonçalves, Cléber e Zé Roberto; Leandro Ávila, Doriva, Djalminha e Denilson; Oséas (Renaldo, 46m) e Giovanni. Os golos seriam marcados por Djalminha aos 48m e Giovanni aos 57m. O outro jogo pela selecção iria ocorrer a 2 de Abril de 1997, no particular frente ao Chile, que ficou 4-0 com golos marcados por Ronaldo aos 9’ e 58m e por Romário aos 39m e 62m. A equipa que alinhou nesse dia foi a seguinte: Taffarel; Cafú (César Prates, 42m), Aldair, Gonçalves e Roberto Carlos (Zé Roberto, 81m); Denilson, Mauro Silva, Leandro Ávila e Juninho Paulista; Romário (Donizete, 85m) e Ronaldo (Jardel, 70m). Depois destes 2 jogos, nunca mais voltou à selecção.
Em 1999, começou pelo Coritiba, passou ao Botafogo e acabou no Corinthians onde venceria o Brasileirão e o estadual de S. Paulo. Em Janeiro de 2000, é contratado para o Sporting por Carlos Freitas, juntamente com Mbo Mpenza e André Cruz, para a segunda metade da época.

A sua estreia com a camisola leonina aconteceu, da melhor maneira, na 5ª Eliminatória da Taça de Portugal, em Alvalade frente à União de Leiria. César Prates foi titular e marcou o único golo do desafio aos 45m. A equipa que alinhou nesse dia foi: Nelson; César Prates, Beto, André Cruz e Rui Jorge; Vidigal, Toñito, Afonso Martins (Delfim, 46m) e Mbo Mpenza (Bino, 84m); Ayew e Acosta (Iordanov, 73m). No Campeonato estreou-se à 17ª jornada na vitória por 2-0 frente ao Salgueiros. No final da época, César Prates seria campeão nacional pelo Sporting, pondo fim a um jejum que durava há 18 anos. O jogo do título foi em Vidal Pinheiro frente ao Salgueiros, vencendo o Sporting por 4-0, ficando César Prates de fora por lesão. Ainda nesse ano, marcaria no Campeonato, no dia 10 de Março, em Braga na vitória por 2-0, aos 88m, depois do golo de Ayew aos 76m.
Na época seguinte, o título iria para o Boavista e o Sporting, que foi treinado nessa época por Inácio, Fernando Mendes e Manuel Fernandes, ficaria no 3º lugar da geral. Prates foi utilizado regularmente por todos os treinadores, vencendo a Supertaça Cândido de Oliveira, após 3 jogos. No jogo decisivo, o Sporting venceria o FC Porto por 1-0. Nessa época, marcaria 1 golo. Foi a 24 de Fevereiro de 2001, na vitória por 3-1 frente ao Gil Vicente, em Alvalade, abrindo caminho para a vitória ao marcar aos 72m, sendo seguido por Acosta aos 81m e João Pinto aos 90m.

Equipa do Sporting em 2001/02. Em cima, da esquerda para a direita: Nelson, Niculae, André Cruz, Dimas, Beto e Paulo Bento. Em baixo, pela mesma ordem: Rui Bento, Horváth, Sá Pinto, João Pinto e César Prates.

Na época de 2001/02, o Sporting seria treinado por Laszlo Boloni que conduziria a equipa à dobradinha, 20 anos depois da última que tinha sido com Malcolm Allison. César foi utilizado regularmente se bem que com algum decréscimo devido à forte concorrência do adaptado Beto.
No início de 2002/03, o Sporting venceria a Supertaça, ao ganhar ao Leixões por 5-1, com César Prates a começar o jogo no banco. Nesse dia, o Sporting alinhou com: Tiago; Hugo, Beto, Contreras e Rui Jorge (César Prates, 34m); Ricardo Quaresma (Carlos Martins, 64m), Paulo Bento, Ricardo Fernandes e Toñito; Kutuzov e Niculae (Danny, 58m). Os golos do Sporting seriam marcados por Ricardo Fernandes aos 31m e 82m, Niculae aos 46m, Kutuzov aos 54m e Carlos Martins aos 86m, ao passo que o golo do Leixões seria marcado por Antchouet. Nessa época, Prates seria utilizado num total de 21 jogos, saindo no final da época rumo ao Galatasaray, onde disputou 15 jogos marcando 2 golos.

No final da época regressaria ao Brasil para jogar no Figueirense onde ainda marcou 3 golos em 16 jogos, mudando-se ainda nesse ano para o Botafogo onde ficou durante 1 ano e meio disputando 29 jogos e marcando 8 golos. Na época de 2005/06 rumou a Itália para representar o Livorno. Realizou 33 jogos, ajudando a equipa a alcançar um excelente 6º lugar na classificação e transferiu-se para o Chievo onde apenas jogou por 3 vezes, num ano em que esta equipa desceu de divisão. César Prates rumaria ao Brasil para integrar os quadros do Figueirense, mudando-se esta época para o Atlético Mineiro onde já leva 2 golos em 12 jogos disputados.

Carreira

1994: Internacional

1995: Internacional

1996/97: Real Madrid B

1998: Vasco da Gama
Coritiba

1999: Botafogo
Corinthians

1999/00: Sporting

2000/01: Sporting

2001/02: Sporting

2002/03: Sporting

2003/04: Galatasaray
Figueirense

2005: Botafogo

2005/06: Livorno

2006/07: Chievo

2008: Figueirense
Atlético Mineiro

Carreira no Sporting*

1999/00 (desde Janeiro): 14 1 / 4 1 / - -

2000/01: 29 1 / 4 - / 6 -

2001/02: 23 - / 4 - / 5 -

2002/03: 18 - / - - / 3 -

*Época: Campeonato (J; G)/ Taça (J;G)/ Europa (J;G)


Avaliação: Craque


4 comentários:

Rui Moço disse...

Não sendo nenhum fora de serie, foi um bom jogador.
Aceito a classificação de craque.

AsKaViR disse...

Sem dúvida um bom jogador. Talvez não um craque, mas sem dúvida muito mais perto de "craque" do que de "flop".

Anónimo disse...

Pessoalmente, acho que só foi craque nos primeiros meses. Depois foi um barrete. E não me esqueço do lance dele contra o Real em Alvalade(2-2). Palerma!!!

Bruno V. disse...

Foi um dos melhores laterais direitos que vi no Sporting. Pessoalmente gostava muito dele. Não fez uma carreira de alto nível, mas no Sporting, craque sem dúvida. E foi um dos obreiros do título de 99/00.